Este estilo tem as suas raízes na Republica Dominicana. O folclore dominicano é austero e profundamente religioso. Na sua música detectamos padrões rítmicos espanhóis e africanos numa polirritmia de difícil transcrição. A habanera, o zarambo, o zapateado, a tonada, e outros, fundem-se através de instrumentos africanos (tambora, atabale, güira, maraca, clave, etc.) em novas modalidades que podemos considerar inteiramente dominicanas.

Destas fusões nasceu o merengue, considerado a dança nacional dominicana. É dançando como um passo duplo rápido, e escrito em compassos contados. O típico merengue de Santo Domingo é tocado com tambora, güira, maraca e acordeão. Este conjunto recebe o nome de “perico ripiao”. Geralmente, os agrupamentos de merengue têm uma ampla secção de saxofone tocada de uma forma muito rápida, com partes contrapontuais dispostas entre si. O merengue é uma dança sensual com letras graciosas e eróticas, o que motivou a sua proibição pelas autoridades do século passado, que procuraram impedir a sua popularização. Os compositores cultos dominicanos trataram de elaborar as voltas do merengue dando-lhe uma maior riqueza harmónica.